quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Estou mais e melhor "eu"!

Só penso em escrever aquilo que de alegre sinto! Mas ao pensar que quero escrever algo alegre, penso se terei que mentir sobre aquilo que escrevo! Não que não consigo sentir nada de alegre, mas sim porque não sei escrever o que de muito alegre sinto! ou se me sinto alegre o suficiente para escrever! Sei que gosto de tudo o que se passa à minha volta: ando entretido, consigo sorrir, e tenho-me empenhado em coisas que há muito tinha posto de parte, por puro comodismo da minha parte; tenho centenas de textos já começados, inacabados, dispersos em pastas e diferentes computadores; não tão dispersos quanto a minha mente, o meu sorriso ou os meus pensamentos! Ainda sinto, ao longe, as brisas do mar que tantas saudades me dá! Não, não tenho lá ido, não tenho molhado os meus pés no mar que tanto gosto; falta-me a disponibilidade de o fazer! Há dias sentia saudades das minhas montanhas! A minha vontade de lá ir era muita, mas a disponibilidade mental de conduzir até lá fez-me estar em casa da minha mãe, quase no sopé do Parque, a olhar lá para cima, com o mesmo carinho e admiração de sempre, inspirando em plenos pulmões, com o intuito de sentir aquelas brisas milagreiras e deliciosas! Não consegui nada, mas valeu a intenção, o sentimento, o sorriso! Tudo isso vale a pena, em determinados dias! Quando a alma está inchada, vá-se lá saber porquê! Admiro e respeito quem em mim cria empatia e carinho! Cada diz que passa é menos um dia que tenho para passar com quem gosto! São gostos dispersos, pensamentos avulso, sorrisos discretos, mas sempre o mesmo abraço carinhoso que define distâncias e momentos, e marca a diferença entre amigos e pessoas. Ando saudoso; nostálgico! Mas ando bem, sinto-me bem, tenho sorrido bastante, mesmo quando me sento sozinho, dentro do carro, esperando que o tempo passe. Estou mais e melhor "eu"!

Again...

Está outra noite bonita! Adoro ver o azul dos trovões abrilhantar tudo à sua volta!!! Falta-me estar lá em cima, no Farol... a admirar as ondas e a beleza do temporal!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Desilusão e Desalento!

São 2 os sentimentos de hoje e dos últimos tempos; mas são quase sempre estes dois! Desilusão e Desalento! Desilusão porque as coisas não são como eu quero ou gostaria! Deveriam ser mais simples, menos complexas, de maior liberdade e mais sensações; mas tudo acontece ao mesmo tempo; já diz o velho ditado que "uma desgraça nunca vem só!"; custa-me a aceitar que para mim nada seja naturalmente fácil; não que eu complique, mas pura e simplesmente, sempre que o barco pode baixar as velas e preparar-se para navegar à bolina, as nuvens escuras povoam o crepúsculo e ameaçam fazer virar tudo! Começo a ficar enjoado deste navegar turbulento diário! Às vezes parece que aos 33 anos ainda preciso de provar tudo e mais alguma coisa! Inacreditável, até porque considero que já tenho uma boa, longa e apetitosa história de vida, com muita coisa para cantar, rir e chorar! O Desalento vem ao encontro da desilusão; são aqueles momentos em que me sento de braços em baixo, e olhos fechados, à espera que tudo passe e que o dia seguinte acorde maravilhoso, com sol e aquela sensação de vigor que dá tranquilidade! Sensações, momentos, pequenos traços de uma vida por vezes desesperante, em que já pouca coisa faz sentido, não fosse a minha determinação e pragmatismo! O dia em que duvidar de mim próprio já não serei eu, mas sim alguém que me comeu!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Um Pensamento....

"Better to write for yourself and have no public, than to write for the public and have no self." - Cyril Connolly

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Solidão... amiga....

As saudades são algo que nos separa da realidade, que nos fazem sentir coisas que não imaginamos ser possível! Por saudades choramos, sentimos a falta, amámos e adormecemos! Por isso gostava que existisses e estivesses aqui, do meu lado, tal fada, sonho ou desejo, visão ou cegueira, abraço ou beijo! Sonhar, sentir e existir, sem nada que impeça esta mesma liberdade que nos permite ser felizes, ajudados pelo som de uma magnífica música que embala o nosso coração e ilumina os teus olhos, com os quais sonho de forma intemporal! Arrepio-me... porque sei o que sinto e como o sinto, mas estou só! Espera-me uma casa vazia, fria, sem ti, ainda que sejas um sonho! Suspiro e revolto-me, solidão eterna, companheira, ternura e amiga!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Botija de oxigénio!

Talvez por não saber verdadeiramente o que ando aqui a fazer, sinto-me um pouco perdido, já no fim deste ano da pouca graça! Há dias que se amontoam, sem sentido nem sabor, perdidos em pedaços de manteiga que derrete em segundos! Há sensações que parecem já nem existir ou, por eventualmente estarem tão distantes, não transmitem aquilo que eu preciso. Preciso mesmo de sair daqui por uns tempos, fechar-me na imensidão de uma cidade desconhecida, percorrendo passeios sem ver, sentir ou escutar algo que me seja familiar! Preciso que este aperto do coração desapareça, que me consiga deitar adormecendo com um sorriso, que recupere as minhas caminhadas nas minhas praias! Preciso tanto da minha (perdida) botija de oxigénio!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Amanheceu...

Amanheceu... manhã bonita e fria, de sol tímido e brisa do mar... acordei sentado numa onda, um mero e vago pensamento de conforto, cabelo molhado e mãos agarradas de areia e pedaços de verde sargaço... ainda não me esqueci daquilo que não quero esquecer! E assim obtenho a minha força!

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

"Por quem eu não esqueci..."

Vidros abertos e velocidade reduzida; é noite e está frio, apesar de ser Verão... as ruas são todas iguais, os cheiros são os mesmos! Os carros ultrapassam-me e observo tudo atentamente, com o olhar de antigamente... já nada é igual e não te consigo encontrar! Desejo que seja ali e agora, mas os meus pedidos não são atendidos! Fecho os meus olhos e imagino que passas ali, ou em qualquer outro lugar que eu esteja... mas não passas.. e eu não esqueci! Quer queira quer não, continuo ali; sentado à espera ... de ti!



Alma perdida!

Eu não sou quem sempre fui, se bem que por vezes caminhei entre o passado e o presente, levado pelos ventos e pelas marés, pelo choro da gaivota teimosa que voava, pelo toque gelado do oceano nos meus pés; de olhos fechados e ouvidos abertos, pronto a abraçar o desconhecido e dar-lhe da minha água e do meu conforto! Sou uma alma perdida que andou à deriva tempo suficiente para saber que jamais se encontrará!

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Dias que já lá vão...

Faz quase um ano... que a vida deu a volta do princípio ao fim! Hoje, parece que pouco mudou! A água que hoje passa debaixo da ponte, é uma água nova, nascida ontem, sem pecado nem sentimento. O meu cabelo está mais branco! Eu estou mais velho, e talvez um pouco mais triste e ausente de quase tudo. Estou aqui na mesma! Continuo a olhar para o meu mar, contemplando os meus pontos fixos já definidos e desgastados pelo olhar fixo e aberto. Sou eu, na mesma! Porque não haveria de ser? Aquele ponto vermelho já não passa por mim como antigamente! Sinto a falta desses momentos, de me maravilhar com tudo o que é simples e me faz sentir orgulhoso. Acho que preciso de emigrar! Vou vender os meus pastéis de nata algures para New York, deixando-me envelhecer em Central Park, caminhando de olhos fechados pela 5ª Avenida, admirando sentado - à noitinha - as luzes da Broadway! Vou trocar a minha praia por uma outra que lá haja, bem perto do meu farol favorito... Irei, mas jamais completo!

Foi no dia 21...

Acabou por ser um dia como outro qualquer... apenas e tão somente! Sem nada de mais para contar... um dia em que recebi alguns sms, algumas chamadas, e um ou outro sorriso por aqui e ali... mas sim, um dia normal, tão simples como uma bela sexta-feira de Agosto, com o sol a brilhar.
Não foi um aniversário normal: foi o 33º!
Afinal, ando aqui há 33 anos e mais uns trocos... o tempo passa, a paciência esmorece e a Lua levanta-se religiosamente quase todas as noites ou seja, sempre que as nuvens a deixam. Creio que tenho feito mais ou menos isso!
Resta o humor... o humor de um amigo que me disse: "33 anos! Tens hoje a idade de Cristo! Vê se te comportas como tal!" - não pude deixar de rir... o que quereria ele dizer?

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Prisioneiro...

Não tenho escrito. Tenho pensado! A dor do que penso é insuportável, pelo que não tenho escrito. Enquanto não encontrar a porta da saída deste quarto escuro que me impede de viver, não poderei escrever grande coisa. Mergulho diariamente nos meus piores pensamentos, onde a tristeza e a nostalgia me algemam! Não sou um prisioneiro, nunca fui! Hoje é assim que me sinto! Sou um prisioneiro! Algemado, de joelhos, vendado! Vivi para ser livre, para poder voar para lá do Farol e regressar, sentindo a crispa das ondas na minha face, e enrolar-me no ar ao sabor dos ventos... Sinto a falta da minha noite........

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Eu senti que seria assim...

Eu senti que seria assim: a brisa do mar, que soprava gelada não deixava de fustigar o meu corpo, já gelado e comprimido, abraçado aos casacos polares que teimavam em não me proteger; o barco continuava, com o ronco do motor forte, quase vencido à fúria do alto-mar! Gaivota aos círculos no ar, gritando e voando rasante, procurando o peixe que nós não tínhamos!
Concentrei-me no horizonte, infinito e indefinido, onde o azul se esbatia com algo que eu não percebia; talvez uma nuvem ou um barco, até uma rocha! Sentia o meu corpo relaxar à medida que o movimento oscilante do barco me reconfortava; os olhos semi-cerravam-se!
O barco voava no mar, tal era a velocidade! Deslizávamos sobre a água de uma forma artística, tal bailarinas no gelo! Não havia nada à nossa volta; apenas o ruído do motor, o som do mar e os gritos das gaivotas lá em cima!
O motor calou-se e o barco deslizou sem nunca se ter imobilizado! De repente tudo calmo; apenas o mar faz o nosso barco oscilar. Os meus pensamentos detém-se naquele momento, naquele quadro único de acalmia, de eternidade e de espaço infinito. A minha mão entra na água gelada... e o meu coração encontrou a Paz naqueles segundos!
Eu sabia que ia ser assim!

Passado de saudade

Quantas vezes dou por mim sentado (ou deitado), sem querer acordar, com saudades do passado, aquele que já passou e não volta, mas que deixa recordações tão boas quanto a areia que se esvai pelas nossas mãos, ou o doce sabor de mel que fica no canto de um lábio! Sinto a falta daqueles doces momentos em que nada fazia sentido, mas tudo se cruzava e resultava, com delicadeza e perfeição! Sinto saudades minhas... saudades de quem fui, de quem deixei ir! Saudades de ser como era, de fazer o que fazia! Saudades de não conseguir dormir, de noites em claro, por aí, sem destino nem fado! Saudades, saudades e saudades! Admiro quando um passado se resume em saudades, em nostalgias, sem mágoas nem loucuras! É bem melhor do que ter um passado como mágoa! Desespero... ainda!

Descida...

Desci à Terra do Fogo, onde respirar é um exercício árduo e os olhos ardem constantemente! Desci porque quis, porque foi a minha decisão, pura e imaculada; uma tão-simples decisão! Admirei-me com uma incursão ao submundo fechado e negro, desatinado e quente! Flores caídas e calcadas, mexidas, arremessadas sem jeito, para um qualquer lugar indefinido! Sentei-me à espera, calcando terra quente e sentindo um vento desconfortável e pouco ameno. Tudo na mesma, tudo o mesmo, tudo sem sentido nem história! Momentos de um sonho perdido, sem sentido e devastado pela necessidade de escuridão, de desencostar de uma parede suja. Ajoelhado, mãos na terra, punhos fechados, olhar cabisbaixo, sensação de nostalgia, mente e corpo irrequietos! Subir a ladeira, já! Regresso ao passado, às noites mal dormidas, à adrenalina desconfortável! Acordar... transpiro!

terça-feira, 7 de julho de 2009

É assim...

É assim que aprendemos a escolher os refúgios: de forma discreta, solitária, sem medos nem protecções! Um refúgio é um local sagrado: o nosso local sagrado! É um daqueles sítios onde as lágrimas correm, as gargalhadas estalam! É tudo, sem ser nada ao mesmo tempo! Uma alegria, um rasgo de saudade, uma pequena melancolia perdida na nossa vida!
E é assim que regressamos sempre aos locais que amámos e que nos chamam! O meu farol é o meu refúgio, é um local que amo! Existe no meu pensamento, faz parte de mim, está sempre presente no meu subconsciente! É aqui que eu vivo, apesar de não parecer! É assim... vidas aparentes, mas definidas e existentes!

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Encerramento temporário

Por motivos alheios à minha vontade, este domínio esteve desligado uns dias. Peço desculpa. A escrita continuará! :-)

domingo, 21 de junho de 2009

Sonhar

Palavras de desconhecidos que embalam uma sensação de momento, um pequeno desejo de voar rumo ao porto seguro que o nosso farol tão bem ilumina, cheio de gente, cerveja e sorrisos alegres e descomprometidos... canções famosas que habitam o nosso inconsciente e que "se" cantam vezes e vezes sem fim, sob qualquer olhar, qualquer momento... tudo momentos, sonhos, desejos, sorrisos e olhares... sensação de bem-estar... saudades longínquas... momentos ilustrados num profundo sonho azul, meresia ao nariz, orelhas frias! E o barco lá segue, superior e imponente, quebrando a força das ondas, das vontades e das vaidades! Assim será uma vida sonhada, recheada de momentos únicos de olhos fechado!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Momento de Nostalgia inesquecível....

"H"à Deriva!

Nos tempos que passo mais sozinho, isolado do que considero ser mundo e vida, não consigo deixar de sentir a saudade de pequenos pedaços de um passado longínquo e inesquecível! Sinto a falta de tudo! Assim não se vive! Sobrevive-se! "H"à deriva!

segunda-feira, 25 de maio de 2009

O beijo que eu mendiguei...

Mendigo um beijo, um carinho, a vontade de sentir algo quente e reconfortante na minha cara! Hoje preciso, faz-me falta, sinto-me sozinho e triste! Despido será a palavra! Lentamente a frustração toma conta de mim... há dias assim, em que nada parece bater certo, e as pessoas se movem como sombras atrás de muros de papel! Sinto a vontade de saborear aquele beijo ao qual estava tão habituado e o qual tanto me deliciava! Beijo certo e oportuno, no momento exacto e pertinente! Um beijo.. um simples e mero beijo! Aquele movimento estranho de dois lábios, seguido de som estridente e inconfundível! Um beijo... a manifestação mais pura de carinho e sensação! Sim, eu hoje mendiguei um beijo! Hoje senti falta de ter quem me beijasse, quem me abraçasse e dissesse que está tudo bem! Hoje desci à terra, tirei a máscara e fui humano por minutos, enquanto aquele desejo me atraiçoava! Mas não houve beijo! Não houve nada! Foi uma sensação apenas que passou; um desejo fugaz e efémero! Passou... como tudo passa! O beijo que eu mendiguei não chegou e eu, de cabeça levantada, consciente ao destino, lá continuei...

Sonho irreal... irreal... sonho...

Isso para mim é irreal! Eu conheci-te num local escuro, onde o teu brilho me fez apaixonar por ti! Não sei onde era aquele local! O que sei e me interessa é que esse brilho me fez apaixonar por ti, em qualquer lugar. Não sei onde te conheci... só sei que jamais me esquecerei do momento, da sensação e do teu olhar! Seguramente que um local para conhecer uma pessoa como tu será algo tipo paraíso, ou no meio de um sonho! Fosse onde fosse, terá sido real?! Estou feliz por isso...

Vontades

Sinto vontade de me ver livre de tudo, de pegar em ti e levantar vôo, sem destino nem horas, aproveitando o sol, as nuvens, o espaço sem fim... voar sentindo as tuas mãos em mim, o teu cheiro espalhando-se pelo espaço percorrido... regressar para um futuro sorridente, com desafios e sentidos que ajudassem a superar esta frustração que me sufoca e definha lentamente. Seres tu um alento, energia positiva, o sonho de uma vida por realizar!
21 de Maio de 2009, 10:32

Tempo

O tempo passa, bem como as noites e as manhãs, tão brancas quanto os cabelos que nos conquistam! Sinónimo de vida acima de tudo, bem como de momentos vividos de forma intensa e jamais esquecida! Amizades intemporais, sensações de nostalgia presente e passada! Sorrisos, copos, "Feiling Kleiner" com fartura!
Amizade, sempre! Parabéns mano! Godspeed!
21 de Maio de 2009, 12h10

terça-feira, 19 de maio de 2009

Noites escuras

Noites escuras, sem luar nem gaivotas, quando o mar descansa e as suas ondas embalam o doce sonhar dos peixes, eu fico ali sentado, calmo e relaxado, à espera do toque da espuma vitoriosa nos meus pés descalços!
Doce ninfa disfarçada de anjo, sorriso de sal e paz, ao encoberto das estrelas escondidas, que me provoca desde a crista da onda, à viagem vitoriosa e inebriante para um império de sensações, onde impera o sorriso e o carinho da minha bela e doce ninfa, e os meus olhos fecham-se ao prazer, desejo e vontade!
Acordo na mesma praia, com os pés molhados, cansado e feliz!
Olhando à minha volta a ninfa desapareceu, o mar continua calmo e os peixes ainda dormem!
Apenas resta a saudade da memória, o doce sabor daquele abraço, o sabor salgado daquelas lábios nos meus, o cheiro que me ocupa as narinas e me deixa extasiado!
Onde estás tu, ninfa fabulosa do meu coração?
15 de Maio de 2009, 16h55

Palavras

Nem sempre as nossas palavras acompanham os sentimentos! Por medo, por estupidez, por receio da palavra errada no momento certo!
Por fragilidade, por medo duma partida iminente, angustiante e desesperante! Até porque os sentimentos óbvios, os gestos, o carinho, admiração e dedicação são contrários às palavras, integram-se no momento, na vontade, no desejo, na dedicação!
É o medo de dar a mão, na varanda que afronta a vida, tendo o futuro como paisagem, com a certeza de que a companhia partirá e com ela todos estes pequenos privilégios, estes pedaços de vida, de sensações, e que a janela se fechará novamente, restando a vida de sofá, e mais uma vez essa terrível nostalgia que consolará a forçada solidão de quem quer ser feliz e ousou por momentos encarar uns fabulosos olhos castanhos com toda a sua serenidade e encanto!
Palavras de medo, sentimentos verdadeiros!
Palavras de vento, sentimentos verdadeiros!
15 de Maio de 2009, 14:15

Sinto

Sinto a tua falta! Sinto MESMO a tua falta! Onde estás?
Perto do meu coração?
Não te vejo, mas sinto-te e cheiro-te! É como se tivesse a tua mão no meu cabelo, como se sentisse a tua respiração na minha orelha!
Arrepio-me! Fecho os olhos e deixo-me ficar a saborear a delícia do pensamento que deixas em mim!
São os teus passos na areia da minha vida!
É o teu delicioso beijo no meu oxigénio!
És tão somente tu, mulher bela e inquietante de sorriso discreto e excitante!
E eu, puto perdido, de olho molhado, por ti (quase) perdidamente apaixonado!
15 de Maio de 2009, 12:33

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Tempo que passa

E o tempo passa, à semelhança de tudo e de nada, perdido em si e no espaço, onde "pouco" faz a diferença entre o tudo e o nada! Tu, momento ousado e irrequieto, inesquecível e sincero!

Sentir

Sentir sentindo,
passando por perto,
sorriso ao largo
para ponto incerto!
Miragem das águas,
sonhos ausentes,
admirando-te,
continuando a sentir!
Sonhos já abertos,
realidades,
beijos que marcam!
O teu cheiro,
o teu cabelo,
as minhas mãos percorrem-te
em tons de abraço!
Tu! Tu e sempre tu!
Olhares que prendem,
mãos entrelaçadas,
prado de orquídeas selvagens
da minha vida!

Feliz Aniversário

Hoje é o teu dia! :)
Estou feliz por te ter conhecido, por me ter sido possível ter-te ligado, demonstrando a minha felicidade em poder dar-te os meus parabéns!
Hoje queria ter estado contigo! Queria ter-te dado aquele abraço, cheio de ternura e carinho que tu muito bem conheces! Queria ter ficado ali, abraçado a ti, sem tempo nem espaço!
Hoje foi o teu dia! E eu não estive lá!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Perdi o medo!

Perdi o medo! Qual? Quantos "medos" não terei já perdido? Quantas vezes terei renunciado à minha sanidade para colocar de lado o medo, encher-me daquela substância maravilhosa chamada adrenalina, e deitar-me ao fundo, ficando com as pernas a tremer "a posteriori"? Também é verdade que perdi o medo de caminhar pela rua a ouvir a minha música, com os auscultadores enfiados nos ouvidos! Fazia-me confusão, fazia-me perder a sensação de segurança, conforto e orientação: é verdade, eu não conseguia caminhar na rua a ouvir música! Há dias apercebi-me que afinal o consigo fazer! Se me sinto 100%? Não, ainda não! :)
... mas já caminho na rua, a escutar as minhas músicas favoritas, de sorriso na cara e a pensar em fazer figura de parvo por ir distraído a cantarolar! :)

domingo, 3 de maio de 2009

Regressar

Sinto-me cansado; mas já há muitos dias que ando assim! O sol tem-me alegrado, tornando agradável conduzir assim!
Entristece-me sempre regressar num dia como o de hoje para uma casa vazia; fresca, mas vazia!
Apenas eu, o meu ar, os meus sentimentos, a minha solidão, eu próprio aqui fechado; a minha própria prisão de portas abertas!

1º Domingo de Maio

Hoje é o Dia da Mãe; o dia daquelas senhoras fabulosas e queridas, que existem nas nossas vidas, para os momentos certos e discretos, aborrecidos e de exultação! Hoje é o dia da Mãe! :-)

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Perplexo

Perplexo porque hoje ainda espero que o telefone toque ou uma mensagem chegue. O certo é que ele não toca, nem o raio da mensagem chega! O certo é que hoje estou aqui, sozinho, à espera do tal telefonema, da tal mensagem! 
Noite estranha e diferente, em que me apetecia estar em Coimbra, sentado naquele meu sítio que poucos conhecem, ouvindo o meu fado preferido na Serenata! Choveu tanto que me assustei! Fiquei! Sem telefonema nem mensagem, sentindo falta de um sorriso que me amparasse a dor.... ou de um abraço que me reconfortasse!

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Amanhã...

Hoje está a chover! Vejo-o através da portada entreaberta que me ilumina o acordar! Pensei que estaria sol, e que poderia fazer a minha caminhada até ao mar! ... mas não! Tinha que chover!
Também deve ser melhor assim! Aliás, há dias que devem ser assim! Há tanto trabalho a ser feito, tantas questões que têm que ser respondidas... enfim!
Tenho pouco tempo para apreciar um dia em que a chuva espreita e cai e o sol teima em intimidar-se através das nuvens! Há dias como este! Não vai chover para sempre! Foi apenas um "colocar água na fervura"!
Amanhã já os dias serão magníficos! :)

domingo, 26 de abril de 2009

Cada vez entendo menos...

São muito poucas as coisas que eu percebo! Talvez porque a idade me faça melhorar e alguns aspectos, como o caso do cabelo que teima em ficar grisalho, mas me faça perder aquela capacidade de assimilar que eu próprio me reconhecia.
Cada vez menos entendo as ideias das pessoas, a forma como se relacionam; como se sentam num canto de um café, de forma fugidia e recatada, sem prestar atenção a quem foi importante ou pelo menos assim era tratado; não entendo a frieza, quando sei que é aparente, nem a necessidade clara de fazer os outros perceber o que não é real. Aparências, ilusões, sonhos, pensamentos... acima de tudo, uma grande desilusão!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Sair...

Eu penso sair de cá! Sair para um sítio qualquer, com água ou areia, praia ou deserto; o importante é sair e deixar as marcas pisadas numa areia dura e suja, virada para o vento de norte, que teima em arrastar as saudades e as maresias! Sentado, de olhos postos no meu horizonte, adivinho já a diferença de vida e de sentimento; será duro, complicado, aliciante e aventura! Uma descoberta pessoal do desconhecido, das estradas obscuras em direcção oposta à conhecida! Sensações, mística, aqui ou acolá... mas nunca mais aqui!

domingo, 5 de abril de 2009

Pensamento ou afirmação?

"I have loved to the point of madness, that which is called madness, that which to me is the only sensible way to love!" - Francoise Sagan

Parado no tempo...

Sonho todos os dias com voar para um local distante e diferente, cheio de água e paz, onde não seja preciso acordar para adormecer sossegado e tranquilo. Gostava de poder ver o sorriso que tanta falta me faz, de me sentar no telhado, encostado a uma nuvem branca, observando o mundo lá da frente, sem tempo nem desejo.
Faz-me falta o mar, a sensação de escutar o enrolar da ondas e das gaivotas nos seus voos rasantes e magníficos. Sinto falta disso tudo; e quanto mais sinto essa falta, mais vontade tenho de rumar rapidamente ao desconhecido, deixando a minha cadeira azul a rodar sem peso, sem norte, sem sentido. Janelas castanhas fechadas que impedem o céu de ser azul e imenso, ajudado pelo vento que não quer pegar em mim!

quinta-feira, 26 de março de 2009

Saudades

Tenho saudades dos momentos preenchidos, de vida passada e azul, sentida e vivida ao segundo adocicado em adrenalina e prazer! Tenho saudades de caminhar sem destino, mesmo cansado e contrariado!
Sei lá.... gostava de voltar atrás e viver segundos mais calmos, mais pensados, menos obstinados! Talvez pensar mais em mim, sentir-me mais vivo, dedicar mais tempo a mim mesmo; aprender a conhecer-me melhor!
Viver no Sol, contemplar as estrelas e sentir as verdades, saber decidir e voar no infinito da minha vida! Gostava de ter sido só eu! Momentos perdidos e impunes, recheados de saudades e cegueira!

terça-feira, 17 de março de 2009

Porque não recordar algo fantástico?

Dureza

Dureza é não ter para onde ir quando se acorda; ficar-se sentado, esperando o inimaginável, construindo castelos, contando e lendo histórias; é abraçar o sofá frio e branco pôr os olhos na pedra que já parece distante e fria, sentindo nada e quase tudo o que parece estar a mais.
O tempo não passa, os ponteiros não se movem, as memórias carregam-se e são intensas! É o tempo que não passa, as memórias que teimam em ficar, o vento que lá fora continua furioso, o sofá que teima em abraçar-me. É duro, mas há pior!

quarta-feira, 11 de março de 2009

De volta...

Há uma música que te uma frase do género: "(...) estou de volta para o meu aconchego, trazendo na mala bastante saudade (...)"
Assim regresso eu para o aconchego do meu blog, depois da excitação de ter o meu livro na minha cabeceira; não é vaidade, mas sim orgulho!
Coro quando me transmitem ideias e sensações do meu livro; não sei bem o que dizer, mas consigo ausentar-me do meio, olhando de fora para um trabalho excelente!
Tenho saudades de escrever e de sentir que o faço melhor ainda, com mais garra, força e sentimento. Estar tanto tempo sem escrever não é bom, nem me faz sentir bem! Sinto falta de estar aqui, de pensar naquilo que quero dizer ou sentir!
Lá fora os dias vão passando sem grande novidades; à parte de férias, nada ou pouco aconteceu! (bem, o Sporting levou 12 do Bayern, mas isso deve ser tão tabu quanto parece anedota - e eu nem gosto de futebol!)
É bom estar de volta, sentir de novo o regresso, observar o meu blog, sentir-me aqui tão perto!

terça-feira, 3 de março de 2009

Lançamento

"O Meu Farol" foi lançado publicamente no passada Sábado, dia 28 de Fevereiro, no auditório do Colégio Teresiano, em Braga.
Plateia quase cheia, caras conhecidas e sorridentes, pessoas e sentimentos revisitados, abraços e cumprimentos, entusiasmo e amizade. Assim foi uma tarde simpática, em que realizei um sonho, atingi aquilo que há muito procurava!
Felicidade a minha que tal aconteceu rodeado de pessoas importantes e singulares, únicas! Foi um dia feliz! :-)
A todos os que lá estiveram, bem como àqueles que não estiveram presentes mas não deixaram de manifestar a sua presença espiritual, o meu humilde e sincero obrigado!
Obrigado por terem feito parte de um dia ímpar na minha vida!

Foi este o convite!

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Despedida

Por motivos relacionados com Direitos de Autor, os textos que estavam neste blog foram removidos. Poderão ser lidos em breve, na obra de minha autoria, o livro de prosa poética de título "O MEU FAROL", a ser publicado pela EDIUM Editores.
A todos o meu obrigado!