quinta-feira, 30 de abril de 2009

Perplexo

Perplexo porque hoje ainda espero que o telefone toque ou uma mensagem chegue. O certo é que ele não toca, nem o raio da mensagem chega! O certo é que hoje estou aqui, sozinho, à espera do tal telefonema, da tal mensagem! 
Noite estranha e diferente, em que me apetecia estar em Coimbra, sentado naquele meu sítio que poucos conhecem, ouvindo o meu fado preferido na Serenata! Choveu tanto que me assustei! Fiquei! Sem telefonema nem mensagem, sentindo falta de um sorriso que me amparasse a dor.... ou de um abraço que me reconfortasse!

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Amanhã...

Hoje está a chover! Vejo-o através da portada entreaberta que me ilumina o acordar! Pensei que estaria sol, e que poderia fazer a minha caminhada até ao mar! ... mas não! Tinha que chover!
Também deve ser melhor assim! Aliás, há dias que devem ser assim! Há tanto trabalho a ser feito, tantas questões que têm que ser respondidas... enfim!
Tenho pouco tempo para apreciar um dia em que a chuva espreita e cai e o sol teima em intimidar-se através das nuvens! Há dias como este! Não vai chover para sempre! Foi apenas um "colocar água na fervura"!
Amanhã já os dias serão magníficos! :)

domingo, 26 de abril de 2009

Cada vez entendo menos...

São muito poucas as coisas que eu percebo! Talvez porque a idade me faça melhorar e alguns aspectos, como o caso do cabelo que teima em ficar grisalho, mas me faça perder aquela capacidade de assimilar que eu próprio me reconhecia.
Cada vez menos entendo as ideias das pessoas, a forma como se relacionam; como se sentam num canto de um café, de forma fugidia e recatada, sem prestar atenção a quem foi importante ou pelo menos assim era tratado; não entendo a frieza, quando sei que é aparente, nem a necessidade clara de fazer os outros perceber o que não é real. Aparências, ilusões, sonhos, pensamentos... acima de tudo, uma grande desilusão!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Sair...

Eu penso sair de cá! Sair para um sítio qualquer, com água ou areia, praia ou deserto; o importante é sair e deixar as marcas pisadas numa areia dura e suja, virada para o vento de norte, que teima em arrastar as saudades e as maresias! Sentado, de olhos postos no meu horizonte, adivinho já a diferença de vida e de sentimento; será duro, complicado, aliciante e aventura! Uma descoberta pessoal do desconhecido, das estradas obscuras em direcção oposta à conhecida! Sensações, mística, aqui ou acolá... mas nunca mais aqui!

domingo, 5 de abril de 2009

Pensamento ou afirmação?

"I have loved to the point of madness, that which is called madness, that which to me is the only sensible way to love!" - Francoise Sagan

Parado no tempo...

Sonho todos os dias com voar para um local distante e diferente, cheio de água e paz, onde não seja preciso acordar para adormecer sossegado e tranquilo. Gostava de poder ver o sorriso que tanta falta me faz, de me sentar no telhado, encostado a uma nuvem branca, observando o mundo lá da frente, sem tempo nem desejo.
Faz-me falta o mar, a sensação de escutar o enrolar da ondas e das gaivotas nos seus voos rasantes e magníficos. Sinto falta disso tudo; e quanto mais sinto essa falta, mais vontade tenho de rumar rapidamente ao desconhecido, deixando a minha cadeira azul a rodar sem peso, sem norte, sem sentido. Janelas castanhas fechadas que impedem o céu de ser azul e imenso, ajudado pelo vento que não quer pegar em mim!