quinta-feira, 23 de abril de 2009

Sair...

Eu penso sair de cá! Sair para um sítio qualquer, com água ou areia, praia ou deserto; o importante é sair e deixar as marcas pisadas numa areia dura e suja, virada para o vento de norte, que teima em arrastar as saudades e as maresias! Sentado, de olhos postos no meu horizonte, adivinho já a diferença de vida e de sentimento; será duro, complicado, aliciante e aventura! Uma descoberta pessoal do desconhecido, das estradas obscuras em direcção oposta à conhecida! Sensações, mística, aqui ou acolá... mas nunca mais aqui!