segunda-feira, 22 de março de 2010

Descer...

Já em tempos tinha dito que a minha escalada furiosa me tinha levado ao cimo de uma montanha; e eu também sabia que, uma vez lá em cima, não teria como descer! Ou lá ficava a contemplar a maravilha das estrelas, nas quais conseguia tocar, e sentir, mesmo ali, doces, iluminadas! Ao chegar ao cume encontrei a minha Paz, a minha paisagem ainda indescritível, para a qual não tenho palavras! Encontrei o meu descanso, o meu abrigo! Senti-me feliz em cada segundo que estive ali sentado a admirar e contemplar quem me protegia e abraçava! Deitei-me e adormeci, embalado pela satisfação do acordar com palavras mágicas, de adormecer com um carinho, de me sentir confortável ali mesmo, desprotegido, ao relento, coberto pelo manto de carinho que me ofereceram! Agora não sei descer! Não sei o que vou fazer! Só sei que quero ficar ali!

segunda-feira, 15 de março de 2010

Parar o tempo!

Os dias passam com a velocidade do famoso "abrir e fechar de olhos", sem tempo para apreciar segundos mágicos em que contemplámos um olhar, o delicioso tocar de uma mão na nossa, ou de uma carícia veloz, que afaga a nossa face, e nos faz fechar os olhos, em sinal de agrado, de submissão espiritual ao momento, já de si único! Passo horas admirando o infinito, como se esperasse uma resposta! Parece que estou fechado num quarto, sempre à espera daquele som da porta que se abre! Mas nem tudo é mau! Nem tudo me apoquenta! Talvez porque já me acostumei à demora, ao tempo que não passa! Hoje, e passados tantos anos, anos de espera que parecia eterna, sei que encontrei o que procurava. E essa sensação ninguém ma tira! É uma partilha muito pessoal, muito intensa, inesquecível! São estes verdadeiros momentos da minha vida que eu não consigo deixar de partilhar, de sorrir, de me sentir verdadeiramente feliz! Mas os dias continuam a passar, hora após hora, como segundos! E eu continuo aqui... com mais cabelos brancos, menos paciência, mais vontades... menos caprichos! Às vezes penso que deixei de contar os dias para não ter de contar as horas que anseio que algo aconteça! Longe vão os dias em que cada manhã era uma aventura, um momento único, partilhada por amigos genuínos, e hoje distantes, perdidos e nas suas vidas! Não deixo de suspirar por isso! Pelos mágicos cocktails azuis, pela velocidade, pelo gozo da sensação maior! Os meus passeios à beira-mar são mais tranquilos, lentos, doces! A última vez que lá fui, ao meu mar, à minha praia, levava comigo uma estrela; entrei no meu paraíso, acompanhado pelo meu futuro! E nem consigo descrever a sensação mágica que isso é! Não consigo transformar em palavras aquilo que se sente em tão especial momento! Tudo é mágico, tudo se transforma, tudo parece irreal! Mas eu sei, o meu coração sabe... que é verdade! Que estava lá! E só eu sei tudo aquilo que senti! E é nesses precisos momentos em que deveríamos parar o tempo!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Insónias...

Há noites assim: em que os olhos não se fecham, e deixam o cansaço vencer; mas recusam-se a adormecer e permitir o descanso que tanto anseio. Hoje tenho medo de fechar os olhos! Tenho medo de acordar numa realidade que não é a minha, sem sentido, nem direcções. Parece que a manhã está mesmo aqui ao lado, mas não é inteiramente verdade! Procuro o meu conforto no aroma suave e delicioso que tenho na minha cama, mas que me faz sentir a tua falta! Quero ser anestesiado por esse aroma, por esse carinho que perdura e sobrevive ao tempo! Não fecho os olhos, tenho medo! Apetece-me dormir sem acordar; ou acordar descansado, sem nada que me prenda a esta sensação. Sinto falta do meu universo azul, dos momentos rápidos e intermináveis! Sinto falta daquele reflexo nas paredes, das velocidades intermináveis e do som hipnotizante! Sinto falta das noites em claro, a espreitar para vidas desfeitas, ouvindo as músicas que acalmam a minha alma. Já sei que hoje, por muito que queira, os meus olhos não se vão fechar. Vou ficar aqui sentado, à espera do amanhã.

terça-feira, 2 de março de 2010

Sinais de Fogo....

Sou um admirador pacífico de Gonçalo Amaral. Respeito o seu trabalho e sei reconhecer o importante contributo que ele deu à Polícia Judiciária em todos os anos que lá esteve. Mais ainda, sei avaliar a dificuldade da investigação que liderou; e sei fazê-lo porque reconheço que no trabalho de investigação criminal há por vezes uma larga diferença entre aquilo que se sabe e o que se pode provar! Acredito que Gonçalo Amaral esteja "enterrado" em certezas que não se conseguem traduzir em provas e tudo isso o leva a indignar-se contra este processo e tudo aquilo que ainda desconhecemos do mesmo. Ontem vi a entrevista conduzida por Miguel Sousa Tavares. Não só fiquei estarrecido pela arrogância do mesmo, que lhe é conhecida, mas também fiquei ainda mais surpreendido com a falta de conhecimentos que ele demonstrou sobre todo o processo e, acima de tudo, com o desconhecimento total sobre as regras processuais penais mais elementares! Miguel Sousa Tavares passou uma imagem sem qualquer tipo de isenção, ignorância ridícula e tentou sempre, em todas as oportunidades, denegrir e insultar Gonçalo Amaral. A tentativa de o colar às agressões contra a célebre mãe de Joana foi de um baixo nível tremendo. Não é possível que alguém aparentemente culto consiga acreditar que tão pesadas condenações num país como Portugal se tenham conseguido "à porrada", e nada tenham a ver com as provas forenses recolhidas e analisadas cientificamente. Miguel Sousa Tavares foi agressivo, irónico, manipulador, insultuoso e ignorante! Não deixou Gonçalo Amaral falar, nem sequer aceitou ou deixou que ele terminasse as suas meras tentativas de participar. Foi pena que Gonçalo não tivesse a coragem de se levantar e deixá-lo a falar sozinho. Aquilo não é jornalismo! Nem Miguel Sousa Tavares é jornalista! Assim não! Quem viu o primeiro programa com José Sócrates fica seguramente a pensar se são amigos ou se MST tem medo do Primeiro-Ministro. Agora o programa de ontem foi uma vergonha! Não torno a ver nada mais apresentado por esse senhor. Devemos ter o privilégio de escolher bons comunicadores. E Miguel Sousa Tavares deixou de o ser!