domingo, 28 de novembro de 2010

Passageiro Frequente...

Perguntam-me pelos momentos que não existem nem pertencem a ninguém! Perguntam-me pelos pedaços de sonhos que se encontram desfeitos pelas praias, misturados com lenços e lágrimas! Perguntam-me pela verdade, pela vontade de vencer! Fazem-me tantas perguntas e eu não sou nem quero ser o dono das respostas! Sou apenas "eu", da forma mais sensível e discreta que conseguir, enquanto quiser e puder, enquanto que a língua não me traia e eu não lhe morda! Tudo o que acontece fica gravado no mais pequeno dos sentimentos, no mais doce dos sentidos, na mais doce das verdades! Está ali; não tem que se ver, apenas manter aquela sensação deliciosa! Condenado a ficar sentado no banco de espera da clínica da vida, observando o entrar e sair de casos que de graves nada têm, para já nem falar do peregrino interesse médico. Há quem diga que me tornei um observador; eu diria mais: sou um passageiro frequente dos pensamentos avulso, cansado da espera; acima de tudo cansado de esperar pelo que nunca vem! Por enquanto aguenta-se, até porque o pior é ainda o ficar a falar sozinho; mas esse estado mental ainda não o perdi para o "complexo alemão"! Concordo porém, sou mesmo um "mero" observador! E creio que nesse tão especial estado de espírito reside a minha capacidade de "aqui" estar. Passageiro frequente, mero observador, pensamentos avulso, alérgico à vulgaridade, com saudades dos Amigos de sempre!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

... lugares assim...

São lugares assim onde conseguimos a nossa tranquilidade: no meio da tormenta, do som avassalador do mar, do vento misturado nos gritos das gaivotas que teimam em voar, do segundo ruidoso dum piscar de olhos, ao momento do doce sorriso matinal em que o Sol aquece a Alma e tudo acalma!