sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Natal: o sonho!

Começou há umas semanas a corrida à sensação Natalícia: espíritos envoltos em sorrisos ternos e agradáveis, entre passos curtos e rápidos pelas ruas frias e iluminadas. É Natal! E eu com isso?! O Natal é o meu afastamento social por eleição! Gosto de estar um pouco à parte e observar: como sempre! Gosto de apreciar essas sensações lindíssimas, como se fossem uma Paz aparente, trazida por ventos frios lá da Lapónia. Na verdade não sou indiferente ao Natal, mas gosto de constatar a diferença; já penso em Janeiro, mês frio e duro, pós-Natalício, em que tudo voltará à sua rotina diária, e se esquecerá dos momentos doces de meras semanas ou dias atrás. O meu Natal é uma limpeza: expulso demónios e pecados, dou a mão e o meu abraço, apago, limpo, expurgo o mal do ano; analiso detalhadamente muitas das coisas que fiz e me fizeram; peso a alma e o coração; exorcizo fantasmas; vou ao meu baú procurar uma doce toalha com cheiro a nostalgia que me traga aqueles bons momentos eternizados por pedaços de vidas! Às vezes acho que o meu Natal é só mesmo meu! É um mero conjunto de dias, iluminados, que enchem a alma de alegria, mas só a suficiente para purgar os sonhos; até porque o amanhã chega rápido, as luzes apagam-se... e tudo volta ao que era! O frio fica, e com ele as almas enregeladas, apáticas, sem interesse nem viagem. O Natal é mesmo o único sonho que se confunde com a ilusão! ... e 2011 será aquilo que fizermos dele!

Sem comentários: