quarta-feira, 13 de julho de 2011

... saber cativar!

Quantas vezes recordo com saudade a parábola das pegadas na praia (ou no caminho da vida), e quantas vezes dou por mim a pensar naquele anjo da guarda que existe, que não se vê nem se sente, mas que está ali, sempre, sempre no momento certo! Caminhamos como se nada fosse, em frente, saltamos e derrubamos pequenos obstáculos; seguir em frente; tropeçamos, caímos; as quedas são sempre duras, feias, imprevisíveis, mesmo quando o caminho tem “ar” de quem quer contribuir para o desequilíbrio! Não há queda que não seja amortecida pelo tal "anjo"; por muito dura que seja, algo estava lá para impedir o pior! A coisa apenas complica quando caímos por cair, sabendo que a queda será sempre amortecida e haverá mãos “divinas” a segurar o nosso momento! Um dia as tais “mãos divinas” desaparecem e, com elas, a nossa noção elementar de verdadeiro equilíbrio. Nesse momento a própria vida está em queda vertiginosa, e é bom não perder o norte! Não abusar de quem nos dá a mão, mas ter a capacidade de perceber quando toca a cada um de nós fazer o mesmo! Assim evitamos o pior, assim seremos melhores! Na vida, são poucas as coisas que ficam quando não se sabe conquistar e, principalmente, cativar!