sexta-feira, 20 de setembro de 2013

"Indiferença"

Já há muito tempo que não escrevia; não que me faltasse a vontade, ou algo que dizer; simplesmente há tempos em que tudo passa e a indiferença nos habita. Há anos que defendo que a "indiferença" será uma doença profissional devidamente certificada e a sua cura uma verdadeira utopia para muitos. A resposta está no mar: na vontade de cortar as ondas, de mergulhar e tocar o fundo com as pontas dos dedos, de regressar acima e saltar acima da espuma da onda, colando o olhar no céu que nos cobre. Fico sentado tempo infinito observando o vaivém das ondas e nunca me canso; cada uma tem um percurso diferente, um "timing" distinto e cada momento, cada segundo é uma inspiração de ideias, de crescimento, da tranquilidade do momento. Assim se esvai a poesia, pelas pontas dos dedos enterrados na areia fria, apesar do dia quente, já em fim de Verão, em fim de ciclo. Amanhã será outro dia, o cansaço despede-se e não há "indiferença", há caminhos a percorrer; a batalha de hoje já foi, venha o amanhã porque o meu sorriso fica, afinal, já cá está.

Citação:
"Vivemos todos sob o mesmo céu, mas nem todos temos o mesmo horizonte." - Konrad Adenauer