sexta-feira, 12 de setembro de 2014

E sim, voltei!

Hoje acordei com saudades de me recolher por aqui e ler o passado, saborear sensações que ainda hoje me fazem arrepiar. É bom ler aquilo que já se sonhou, sabendo que as experiências se tornam inesquecíveis uma vez sentidas, e muitas por viver, tal os sonhos que nos fazem sorrir. 
Continuo perto do mar, cada vez mais, como necessidade básica de respirar algo que me traz alento e tranquiliza. Tenho imagens na cabeça, que me dão a felicidade sentida que julgo merecer, e os projectos de futuro começam a desenhar-se de forma tão clara que às vezes assustam: mas deliciam-me de satisfação.
Não sei cronometrar as sensações, os delírios de olhos fechados com os pés num mar frio mas enternecedor; mas sei acordar, inspirar suspirando, sorrir e sentir-me completo. Talvez seja este pequeno segredo que contém a minha ansiedade e me faz saber esperar. Talvez a minha resiliência mental se deva à capacidade de saborear o mar, guardando pedaços de cheiro, sabor e som, sempre que me ausento indefinidamente, sabendo que voltarei. E sim, voltei!