segunda-feira, 26 de junho de 2017

Promessas

Promessas de tudo. Do poema que nunca foi escrito. Da letra que nunca foi cantada. De todos os momentos à beira mar. De todas as corridas. De todos os sentidos. De todos os olhares. De todas as sensações. De todos os toques. Da mão dada. Da vida pela frente. Do envelhecer. Do nada. Promessas de tudo, e nada. Nada, vazias. Promessas do tudo, e do nada, como se o amanhã não existisse.